Terça-feira, 7 de Abril de 2009

 

 

Fotografia de  © Andrea Sagawe

 

 

 

Falavas-me dum livro, bom de ler e reler.

Fazes lá ideia das vezes que o pousaremos, junto ao vaso, esse, que ficará silencioso, que se tornará todo ouvidos, no parapeito da janela da casa que construiremos, quando não nos dermos conta que sorrimos, enquanto nos vestimos de tanta carícia bonina, com o som dos pássaros verdes e azuis que nidificarão nos ramos da árvore frondosa que espreitará, curiosa, a nossa história.

 

Ainda que não saibamos que é baseado em nós que aquele livro será escrito, por ela, enquanto for crescendo, se for cobrindo de folhas verde esperança, faremos marcadores com as pétalas de rosa encarnadas que nos vamos dar.

Festejaremos cada folha e com elas marcaremos os parágrafos mais belos!

Seremos felizes quando no livro pegarmos, todo ele pleno do aroma que daquela cor rubra advirá, que será para nós, já que quando nos despirmos, saber-nos-á a tanto, esquecermo-nos do prazer que teremos, por irmos colher, unos, aquele ensejo.

 

Aprendemos, quando nos esquecíamos, quando nos negávamos olhar, a fixar os movimentos ternos, quando para nós desnudávamos a alma, nos desvendávamos.

Julgávamos – nos desatentos, mas, aprendemos, todas as vezes que nos imaginámos a procurar em nós as marcas do tempo imaculado, a semeá-lo no colo, a vê-lo crescer, para que, então sim, nos completássemos, na época em que sequer sabíamos que íamos existir.

 

Não olhemos para mais nada, nem nos importemos com o tempo que fará, fora do mês que depois habitaremos.

Não nos vamos distrair com a árvore. Ouçamos apenas a melopeia dos pássaros que a habitam, então já pais de outros mil, ainda mais coloridos.

Não vamos espalhar qualquer preocupação no tempo que ainda poderá faltar para nos unirmos.

Não nos neguemos pois que saberemos naquele instante que o verão terá chegado.

 

 

 



publicado por Cris às 01:03 | link do post | comentar | favorito

7 comentários:
De Fatyly a 7 de Abril de 2009 às 11:26
E todo este texto é repleto de um gostoso "calor de verão" sensível e terno como só tu consegues dar às palavras que saem do teu pensamento.

Nem sei mais o que dizer...porque ADOREI TANTO que as palavras nem saem.

Beijos meu amor e nunca deixes de escrever e de seres quem és.



De Cris a 7 de Abril de 2009 às 19:38
Deixar de escrever não deixo, minha querida, mas, depois do próximo post, vou silenciar-me. Há sentimentos que julgava intocáveis, eternos, mas, há outros que doem demais! Julgara eu que me consuia distanciar deles mais facilmente...Só que eles estão tão cá dentro, sabes?
Sei que sim.

Virá o Verão, meu amor, virá o Verão...

Beijo doce, Linda.


Comentar post





mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Artigos recentes

 


...

Bonança

Ti'Mariquinhas, mãos chei...

Infinito

...

...

Viagem

Serenidade

Triste Forma de Amar

Não deixes de nos olhar

Arquivo

 

Dezembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Outros Lugarejos



A-manh-ser
adesenhar
Ao Sabor do Vento

Branco e Preto II
By The Canon Viewfinder

Claras Em Castelo
Claras Manhãs
(A) Clareira
Codornizes
Chris

Da Condição Humana
Dias Desiguais
Doce Modo de Olhar a Vida

Entre Tempos Que Se Tecem
EREMITÉRIO
Estórias de Bicharocos e Bicharada
Estrada de Santiago
(O) espaço azul entre as nuvens
Estúdio Raposa-Luís Gaspar

Flávia Vivendo em Coma

Golden Oldies

Humores

Ilha dos mutuns
(In)Perfeições
Intemporal
It’s going to be, hold it, legendary

(O) jardim e a casa

Madrugadas de Volúpia
Mar de Sonhos
Menina Marota
Microargumentos
Migalhas
Ministério da Soltura

Na Linha das Linhas
noVI TÁ
Nuno de Sousa

Outros Olhares

Palavras da {{coral}}
Palavras em Desalinho
Partilhas
Plan(o)Alto II
Poemas de Amor e Dor
Poesia Portuguesa
poetaeusou...
Poetizando a essência de mim

Reflexões Caseiras
(O)Repórter Alentejano
Revelações...Avulsas

Sal p!car te
Sidadania
Silêncios da Minha Alma

Traços e Letras
Truca-Luis Gaspar

Um olhar sobre...
Uma Nova Cubata

Velas ao Vento
(O) Vento Contra a Cara
Vida de Casado

Webclub
Words


Lugarejos que me encantam



Comércio e Tradição
Fotolog de Ana Rita Pinto

Anúncios grátis
blogs SAPO
subscrever feeds