Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

 

 

 

 

 

Fotografia de © Ulrich Jaspert

 

 

Por vezes,
[Penso],
Imagino-me desabrigada de mim.
Por vezes,
[Repito-me tanto,
Dirás],
Dispo-me de palavras
E venho até aqui.
Soberba esta espécie de quarto onde estou,
Que tem uma varanda virada para aquela passagem
Que me leva a olhar os silêncios que colecciono.
Soberbo sentir
[pensar-te]
A imaginar coisas tontas
Impossíveis
Ou não,
[que sou louca,
[pensarás,
[e, serei],
Pouco importa.
Importa
Que te sei perto,
[o bastante]
Para te ver
Daqui a nada,
Quando te imaginares desabrigado de ti,
Te despires de palavras
E vieres até aqui,
Para escolher dos meus silêncios,
Um,
Ver-te guardá-lo,
Enquanto imaginas coisas tontas,
Impossíveis,
Ou não
[pensarei,
que és louco,
e, serás]
Pouco te importará.
Importa sim,
Que por vezes,
[pensamos]
Partilharmos silêncios,
Imaginarmos coisas tolas,
Faz de nós loucos,
[e seremos]
Mas,
[temos a certeza]
Que estamos juntos,
Que nos partilhamos,
Que habitamos muitas vezes no mesmo lugar,
Pois que me viste,
Há pouco,
A guardar da colecção dos teus silêncios,
Um,
A guardá-lo,
Enquanto imaginava coisas tolas,
Impossíveis,
Ou não…
Aqui,
Nesta varanda em frente ao mar…

 



publicado por Cris às 22:38 | link do post | comentar | favorito

25 comentários:
De Paulo Mello a 25 de Abril de 2009 às 15:22
Cris, minha boa amiga, hoje estou cheio de indagações, preparado para passar um final de semana de muita saudade. Senão vejamos: como posso competir com uma pessoa que teve tanta importância na vida da pessoa que amo? Como posso preencher aquele vazio que ela mesma diz sentir, e para quem ela manda mensagens de tanto amor, de tanta saudade? Entro naquele espaço e me deparo com um sentimento tão grande da parte dela e que ela expõe nos textos com tanta força, com tanta profundidade, que fico me indagando de que forma poderei competir com algo assim. Acredito que os textos sejam destinados a alguém que se foi (o pai da menininha) que já não se encontra mais neste plano, pois não soube de nenhum outro namorado que tenha passado na sua vida. Ao mesmo tempo me pergunto como pode alguém viver com estas lembranças que de alguma forma chegam a ser mórbidas, pois ela nunca obterá as respostas que procura. Como vê, minha amiga, tenho como rival alguém que nem existe mais a não ser na lembrança dela. Como posso competir com algo assim? Ai, Cris, que aperto me dá ter que ficar longe desta menina dos meus sonhos. Muitas vezes me dá vontade de xingar, de brigar, de gritar com ela, para que acorde para a vida, mas ao lado dela eu só sei falar do meu sentimento.

Estou também numa dúvida cruel com relação a um convite que ela me fez quando lá estive, para ir assistir a inauguração de um ginásio poliesportivo, mais um, onde são acolhidos os meninos de rua, de favela, da periferia, para que através do esporte eles possam ser reintegrados à comunidade. Este levará o nome do pai da menininha... entendeu meu questionamento? Tenho pensado em me (re)aproximar dela aceitando o convite para tentar desta forma, como amigo, não sentir tanta falta dela, mas outras vezes penso que me será muito penoso... ai que dúvida, minha amiga!

Faz-me bem vir aqui e desabafar (risos), Cris. Sei que também não estás num momento muito bom, por isso não precisa se preocupar em responder meus questionamentos que podem até ter um cunho retórico. Só de lançar tais indagações no papel já me sinto um pouco aliviado.

Muito obrigado, minha boa amiga, por ceder-me este espaço para meu desabafos que por vezes podem se tornar irritantes (risos).

Receba um fraternal abraço nos cumprimentos extensivos à família, para um excelente final de semana,
PMello


De Cris a 25 de Abril de 2009 às 17:09
Paulo,

"Ouvi-te" e entendi-te tão bem, tão bem!
Não consigo dizer-te seja o que for. "Martirizamo-nos" com o que foi, com o que não volta, ainda que, (tontos que somos, Paulo!) bem cá dentro, acalentemos a ideia pueril de que sim, que volta. Tornamo-nos "patéticos" e insistimos e as respostas que queríamos, não chegam, não nos pousam no colo.
Acordo todos os dias, todos, e penso que não vou pensar mais. Só que, vem um cheiro, vem uma frase que se ouve, e, tudo volta, aqui, cá para dentro, a ganhar forma e "lá retorno ao passado".
Não consigo "olhar para o lado", Paulo.
Assumo: não consigo porque não quero, porque a relação foi intensa, bela, e única e está espelhada em cada palavra que escrevo.
Por isso te digo que te "ouvi" e que te entendi, tão bem, tão bem!
Vamos pensar que o "amanhã demora" mas que vai chegar, sim, e, neste entretanto tentar sarar tudo o mais com um sorriso dos filhotes, e, até, com estas nossas conversas aqui. Afinal, já nos "conhecemos há tanto tempo, já pensaste?
Beijo amigo, para ti, com muita amizade, porque ela é real, sim, ainda que nunca nos tenhamos visto, de facto :)
Bom te ter aqui, acredita.






De Paulo - Intemporal a 25 de Abril de 2009 às 11:41
__________________________________

vinte e cinco de abril de dois mil e nove
__________________________________

e porque são sei dizer melhor e se soubesse não saberia dizer assim, digo que,

"Há uma Justiça para ricos e outra para pobres, uma Justiça para famosos e outra para anónimos, como há Saúde e Educação diferentes para ricos e pobres. Cumprir Abril é uma questão de justiça. Já não podemos esperar mais 35 anos".

Paulo Baldaia

______________ para reflexão [...]


De Paulo Mello a 22 de Abril de 2009 às 15:25
Também estou eu, minha boa amiga, colecionando silêncios... não só silêncios, mais tristeza, saudade, e tudo isto que se guarda no peito quando as ilusões se vão.

Cris, sempre por aqui, lendo-te, mesmo que muitas vezes não comente.

Um abraço fraterno e os cumprimentos do amigo
PMello


De Cris a 22 de Abril de 2009 às 19:58
por vezes é preciso, Paulo, parar. preferia não, mas...tanta coisa que não está nas nossas mãos, amigo.
vamos com calma que a bonança vem, acredito, e, sei que, aí no fundo, também acreditas.
este espaço é teu, sempre que queiras, que te dê vontade.
abraço com amizade


De Toze a 22 de Abril de 2009 às 14:30
Aqui vai o teu porto de abrigo prometido :)

http://www.youtube.com/watch?v=-ntD0SSM0bM

beijo


De Cris a 22 de Abril de 2009 às 19:55
bela surpresa, Tozé. imaginava-te de viagem ;)
quando já estiveres com as coisas (tuas) mais delineadas, envio mail, ok?
estamos todos a torcer para que dê certo, claro.
beijo amigo e boa sorte.


De Lorenzo Monsnato a 22 de Abril de 2009 às 11:03
Já sabes a dificuldade que sinto em comentar poesia. Sinto mesmo. Não deixo de vir aqui, e gosto bastante de te ler. Mas isso tu já sabes....

Gostei das imagens que criaste...


De Cris a 22 de Abril de 2009 às 19:50
a ausência de palavras, lá, Lorenzo, não é a minha ausência. mas isso, também sabes. prazer em ler-te, sempre. tanta mais valia em cada um dos teus textos.
abraço


De Adrian LaRoque a 21 de Abril de 2009 às 02:03
Eu imaginaria coisas do outro mundo! Adorei a tua imaginação!


De Cris a 22 de Abril de 2009 às 00:13
Naquela varanda a imaginação não tem limites.
Um abraço, Adrian.


De etc / Chloé a 20 de Abril de 2009 às 10:56
Porque adoro a tua escrita, como sabes, ... tens um prémio'zinho neste meu blog! Beijos!


De Cris a 21 de Abril de 2009 às 00:22
Vou lá visitar-te, Chloé.
Obrigada e um beijito para ti, Migota


De Toze a 20 de Abril de 2009 às 01:29
És uma optimista com as coisas da vida e das partilhas e dos sentidos e, outras mais.

Fiquemos nesta varanda e sejamos tolos, sem as preocupações dos dias. Aqui em frente ao mar...


De Cris a 21 de Abril de 2009 às 00:24
Tento, Tozé.
Ficar na varanda, e, olhar, até onde a vista alcança!
Inimaginável o que conseguimos ver.



De Helena Paixão a 19 de Abril de 2009 às 23:01
E se alguém se lembrasse de musicar este teu poema? Que linda canção para os nosso ouvidos seria!
Adorei ler este pedacinho de ti.
Bjocas


De Cris a 21 de Abril de 2009 às 00:28
Lena,

A viola continua em casa dos meus pais, desde que ele foi...
Quem sabe me atreva a musicar. Fosse há 10 anos atrás e já o tinha feito, com toda a certeza.

Um beijo com tudo de bom, para ti e o teu Passarinho


De Paulo - Intemporal a 19 de Abril de 2009 às 11:00
por vezes ______________ intrigo-me!

:))

onde conseguirás tu, querida Cris, obter o alvo de tanta plenitude.

é que _____________ sempre que aqui venho, saio des.armado a tentar inventar-TE na passagem dos dias...

um íssimo beijo meu.
um bom Domingo ...


De Cris a 21 de Abril de 2009 às 00:32
Obrigada, Paulo.
As melhoras rápidas da tua Mãe.

Lindas as flores que lhe deste, lá, no teu "lugarejo" :)


Comentar post





mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Artigos recentes

 


...

Bonança

Ti'Mariquinhas, mãos chei...

Infinito

...

...

Viagem

Serenidade

Triste Forma de Amar

Não deixes de nos olhar

Arquivo

 

Dezembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Outros Lugarejos



A-manh-ser
adesenhar
Ao Sabor do Vento

Branco e Preto II
By The Canon Viewfinder

Claras Em Castelo
Claras Manhãs
(A) Clareira
Codornizes
Chris

Da Condição Humana
Dias Desiguais
Doce Modo de Olhar a Vida

Entre Tempos Que Se Tecem
EREMITÉRIO
Estórias de Bicharocos e Bicharada
Estrada de Santiago
(O) espaço azul entre as nuvens
Estúdio Raposa-Luís Gaspar

Flávia Vivendo em Coma

Golden Oldies

Humores

Ilha dos mutuns
(In)Perfeições
Intemporal
It’s going to be, hold it, legendary

(O) jardim e a casa

Madrugadas de Volúpia
Mar de Sonhos
Menina Marota
Microargumentos
Migalhas
Ministério da Soltura

Na Linha das Linhas
noVI TÁ
Nuno de Sousa

Outros Olhares

Palavras da {{coral}}
Palavras em Desalinho
Partilhas
Plan(o)Alto II
Poemas de Amor e Dor
Poesia Portuguesa
poetaeusou...
Poetizando a essência de mim

Reflexões Caseiras
(O)Repórter Alentejano
Revelações...Avulsas

Sal p!car te
Sidadania
Silêncios da Minha Alma

Traços e Letras
Truca-Luis Gaspar

Um olhar sobre...
Uma Nova Cubata

Velas ao Vento
(O) Vento Contra a Cara
Vida de Casado

Webclub
Words


Lugarejos que me encantam



Comércio e Tradição
Fotolog de Ana Rita Pinto

Anúncios grátis
blogs SAPO
subscrever feeds