6 comentários:
De Helena Paixão a 12 de Julho de 2009 às 22:34
É assim a vida, feita de esperanças e ilusões, feita de desenganos e decepções. E nada do que foi voltará a ser, pelo menos não exactamente da mesma forma.

Lindíssimo poema Cris. Está escrito de uma forma tão sublime que a nostalgia nele contida passa para nós.

Beijinhos!


De Odele Souza a 10 de Julho de 2009 às 00:04
Cris,

Esta música que está a tocar é muito linda.

Lindas também são as fotos que aqui colocas. Tamb;em gosto de teus textos que demonstram muita sensibilidade de tua parte.

E amiga, obrigada por tua visita e comentário no blog de Flavia. Quanto à tua linda Maria João, por favor, eu não fiz nada por ela, apenas a recebi em minha casa com o carinho que tu e ela merecem por serem tão gentis como são as duas.Máe e filha.

Deixo-te um forte e carinhoso abraço.



De Adrian LaRoque a 7 de Julho de 2009 às 00:01
Gostei! Come sempre!


De Fatyly a 4 de Julho de 2009 às 12:04
Foram "um/único" e hoje ao abrir "a caixa dos biscoitos" o perfume não deixou de ser "único" mas recordado/apreciado separadamente.

A vida é assim e não há como dar a voltar mas sim aceitar!

Gostei muito e a foto é lindissima.

Beijos linda e um BFS


De Cris a 4 de Julho de 2009 às 14:44
Não há histórias iguais. Poderão ser similares, mas, iguais? Se algo é único não se repete porque não como, Fatyly.
Fechou-se a caixa, ponto final!
Recordar (confundir "ficção" com a realidade pode ser doentio, se em demasia, e, como tudo que é demais é moléstia, há que saber parar! Já chega de "doenças".)
Parei!

Que o teu fim de semana seja pleno de bom, também.
Beijo.


De Cris a 4 de Julho de 2009 às 14:47
Corrijo:
Onde escrevi: "Se algo é único, não se repete porque não como" queria dizer: "...porque NÃO HÁ como..."

Mais um beijo ou um abraço apertado, Amiga.


Comentar post