Segunda-feira, 13 de Julho de 2009

 

 

"Amor, cuántos caminos hasta llegar a un beso,

qué soledad errante hasta tu compañía!"

 

Pablo Neruda

 

 

 
 
Fotografia de © Rosalie Denik
 

 

 

 

Os olhos choraram
Enchendo o rio
Mas as mãos,
Moldaram-se num tálamo
De alguma água
Daquele que como um trilho,

Continuava correndo,

Buscando o mar…

Os olhos já não choram,
Mas as mãos?

Ah, como os olham agora,

Como que guardando
O esboço de um sorriso,
Espécie de peixe
Em vias de extinção
Que saltou
Para o pedaço de água,
Afluente do rio,
Que as mãos retiveram
Deixando que o caudal
Continuasse a sua incessante busca.

Os olhos já secaram,
Mas as mãos?
Que lugar!

São transparentes,
Cristalinas,

Guardiãs de bem quereres!

Os olhos estão já calmos,
Mas as mãos,
São viveiros!
E o rio?
Chegou ao destino,

O início

E ao renascer, ali,

Onde as mãos o esperavam

Vai banhar-se,
Sentir o frescor salgado do mar,

Todo a brisa marinha,

Qual beijo.
 
As mãos?

Abrir-se-ão em concha,

E formarão,
Rodeadas por ele,

O mais gracioso areal!

 

 

 



publicado por Cris às 00:15 | link do post | comentar | favorito

17 comentários:
De Helena Paixão a 13 de Setembro de 2009 às 16:12
Das tuas mãos nascem sempre quer poemas, que histórias carregados de sentimento e emoção. Para quando um novo post?

Beijinhos e continuação de um bom Domingo :-)


De Fernanda Paredes a 21 de Julho de 2009 às 19:42
Que poema maravilhoso!! Eu tiro o meu chapéu a essa carga de sensibilidade, adoro! Como sinto a  saudade a rondar a sua escrita  lembrei-me do meu Eugénio de Andrade e a si dedico este belo poema.
 
Devias estar aqui rente aos meus lábios
para dividir contigo esta amargura
dos meus dias partidos um a um
 
-Eu vi a terra limpa no teu rosto,
 Só no teu rosto e nunca em mais nenhum.
 
 
Eu peço desculpa por não pedir autorização para usar uma parte do seu trabalho do Minho! Quando li o do Ricardo, lembrei-me logo do seu...já vi que não se incomodou! Beijos


De Cris a 21 de Julho de 2009 às 22:40
Acertaste em cheio no meu Poeta! Eugénio de Andrade é e será sempre alguém muito especial para mim, por tudo!

Obrigada por me teres "mostrado" aquele blog.
Aquele senhor escreve lindamente.

Mil beijos para ti, Fernandinha e continua com aqueles teus milhões de olhares bonitos, sempre.


De Fernanda Paredes a 21 de Julho de 2009 às 22:51
Deixa que te diga mas o João Ricardo não é senhor, é da idade da minha filha, 30 verdes anos!:)) Um rapaz novo mas especial e muito inteligente. Vais gostar de o ler. Beijos


De Cris a 21 de Julho de 2009 às 23:38
Upssss!!!! Fernandinha, eu pensei, pelo comentário que ele pôs, acho que foi uma resposta, que era mais velho.
Ele não se zangará por certo :)). Digo-te, foi uma agradável surpresa encontrar teres-me mostrado aquele blog. Achas mesmo que eu iria aborrecer-me por teres lá posto um texto meu? Foi óptimo porque foi a forma de eu conhecer um espaço onde se cuida tão bem a palavra.
Já agora fica a sugestão dum outro blog, está aqui ao lado, nos links: Estrada de Santiago. Vai espreitar e diz-me o que achaste. Diferente, muito diferente dos Dias Desiguais mas, se gostas dum toque de surrealismo, vais adorar aquele espaço.
E agora vou ver se tens fotos novas :)))


De Adrian LaRoque a 18 de Julho de 2009 às 04:30
Belo, poema e foto.


De Cris a 21 de Julho de 2009 às 22:48
Obrigada, Adrian. Também achei aquela foto lindíssima. Esta fotógrafa tal como a Joana Petcu são óptimas!
Há ali naquele site gente que fotografa muito bem!

Gostei de ver as tuas fotos dos navios.
Um abraço do lado de cá do oceano.


De vasco a 18 de Julho de 2009 às 01:32
adoro o teu blog, as tuas ;musiquinhas: eu se qui vou-ti amar, é lindo, poxa adoro...


De Cris a 21 de Julho de 2009 às 22:44
Essa música envolve o soneto, talvez dos sonetos mais belos de Vinicius de Moraes. De uma sensibilidade enorme!
Obrigada pela visita.


De Carla a 16 de Julho de 2009 às 16:27
entre os olhos e a mãos...um rio de sensações que as tuas palavras me proporcionam sempre
beijo doce amiga


De Cris a 21 de Julho de 2009 às 22:50
Ainda não te respondi, Carla. Vou querer ter o teu livro, sim. Depois, por email, dizes-me como posso adquiri-lo.
Beijo e mais uma vez parabéns pela concretização do teu sonho.


De Fatyly a 14 de Julho de 2009 às 18:09
Áiiiiii como foi tão bom reler esta pérola, tu realmente és de uma ternura sem fim!

Beijocas muitas


De Cris a 14 de Julho de 2009 às 22:08
Não sou não, Fatyly.
Perdoa, não estou bem. Depois falo contigo.
Que td esteja bem ctg, convosco.


De Paulo Mello a 14 de Julho de 2009 às 13:40
Os olhos choraram enchendo o rio... e as mãos que tentam segurar as lágrimas se perdem em inúteis gestos...

Como sempre, Amiga, uma bela página onde fazes transbordar as coisas do coração de forma tão bela.

Acabo de enviar um E-mail.

Cumprimentos no abraço fraterno,
PMello


De Cris a 14 de Julho de 2009 às 23:36
Vou ler e mal possa, Paulo, responder-te-ei.
Abraço


De Nuno de Sousa a 13 de Julho de 2009 às 15:20
Bem minha boa amiga CRIS... é sempre bom vir aqui e ver estas maravilhas que fazes... bela a tua escrita e como sabe bem aqui permanecer... hoje tenho o teu blog ligado à cerca de umas 3 a 4h só agora consegui escrever algo... trabalho a mais tempo a menos mas olha aproveito para estar aqui :-)
Bjs enormes em ti minha boa amiga,
Nuno


De Cris a 14 de Julho de 2009 às 23:38
Obrigada, Nuno.
Ainda bem que gostaste de estar por aqui. Não sei, mas, talvez páre uns tempos. Vamos ver.
Beijo para ti e para a tua Paixão


Comentar post





mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Artigos recentes

 


...

Bonança

Ti'Mariquinhas, mãos chei...

Infinito

...

...

Viagem

Serenidade

Triste Forma de Amar

Não deixes de nos olhar

Arquivo

 

Dezembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Outros Lugarejos



A-manh-ser
adesenhar
Ao Sabor do Vento

Branco e Preto II
By The Canon Viewfinder

Claras Em Castelo
Claras Manhãs
(A) Clareira
Codornizes
Chris

Da Condição Humana
Dias Desiguais
Doce Modo de Olhar a Vida

Entre Tempos Que Se Tecem
EREMITÉRIO
Estórias de Bicharocos e Bicharada
Estrada de Santiago
(O) espaço azul entre as nuvens
Estúdio Raposa-Luís Gaspar

Flávia Vivendo em Coma

Golden Oldies

Humores

Ilha dos mutuns
(In)Perfeições
Intemporal
It’s going to be, hold it, legendary

(O) jardim e a casa

Madrugadas de Volúpia
Mar de Sonhos
Menina Marota
Microargumentos
Migalhas
Ministério da Soltura

Na Linha das Linhas
noVI TÁ
Nuno de Sousa

Outros Olhares

Palavras da {{coral}}
Palavras em Desalinho
Partilhas
Plan(o)Alto II
Poemas de Amor e Dor
Poesia Portuguesa
poetaeusou...
Poetizando a essência de mim

Reflexões Caseiras
(O)Repórter Alentejano
Revelações...Avulsas

Sal p!car te
Sidadania
Silêncios da Minha Alma

Traços e Letras
Truca-Luis Gaspar

Um olhar sobre...
Uma Nova Cubata

Velas ao Vento
(O) Vento Contra a Cara
Vida de Casado

Webclub
Words


Lugarejos que me encantam



Comércio e Tradição
Fotolog de Ana Rita Pinto

Anúncios grátis
blogs SAPO
subscrever feeds