Sábado, 31 de Outubro de 2009

 

Aquele tempo fora deles. Agora, separados pela distância dum, até um dia, poderia olhá-lo, pensá-lo ali…
Chorava, sem vergonha de esconder as maçãs do rosto de tanta saudade e prometeu que, pela bonança dum passeio pelo sonho, valeria a pena esperar.

 

 

 


Fotografia de © Irina Kuneva

 

 


Talvez que chegasse até ele
O barulho da cascata,
O seu pranto.
Lágrimas que rebolavam
Que caíam
Em cataratas de soluços.
Estava já longe do que viveram,
Estava no leito,
Ela e toda a lembrança,
Iluminada por uma lua cheia.
Chorava
Mas não o deixaria ir,
Sair-lhe do pensamento,
Ainda que se sentisse
Encharcada por tanta tristeza,
Ainda que não houvesse tido um tempo aliado.
[Mais tempo,

Todo o tempo do mundo.]

Ficaria até ao fim,
[Ele que lhe dissera que não havia fins,
Que coexistiriam nos interregnos,
E, que tudo repetiria...
]
Imaginando-o a pensá-la
Tal qual um mar de águas aquietadas

[Aquele que uma vez lhe pedira.

Como ela tanto queria, ter ido com ele, ver o mar!]

Bastar-lhe-ia uma gota.
Molharia nela o pincel,
Pintaria um arco-íris
Naquele céu que os cobriu,
E dar-lhe-ia
Uma obra-prima,
A nascente dum sorriso,
O seu,
Quando o tempo os unisse
Naquela praia de novo.

 

 



publicado por Cris às 00:15 | link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito





mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Artigos recentes

 


...

Bonança

Ti'Mariquinhas, mãos chei...

Infinito

...

...

Viagem

Serenidade

Triste Forma de Amar

Não deixes de nos olhar

Arquivo

 

Dezembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Outros Lugarejos



A-manh-ser
adesenhar
Ao Sabor do Vento

Branco e Preto II
By The Canon Viewfinder

Claras Em Castelo
Claras Manhãs
(A) Clareira
Codornizes
Chris

Da Condição Humana
Dias Desiguais
Doce Modo de Olhar a Vida

Entre Tempos Que Se Tecem
EREMITÉRIO
Estórias de Bicharocos e Bicharada
Estrada de Santiago
(O) espaço azul entre as nuvens
Estúdio Raposa-Luís Gaspar

Flávia Vivendo em Coma

Golden Oldies

Humores

Ilha dos mutuns
(In)Perfeições
Intemporal
It’s going to be, hold it, legendary

(O) jardim e a casa

Madrugadas de Volúpia
Mar de Sonhos
Menina Marota
Microargumentos
Migalhas
Ministério da Soltura

Na Linha das Linhas
noVI TÁ
Nuno de Sousa

Outros Olhares

Palavras da {{coral}}
Palavras em Desalinho
Partilhas
Plan(o)Alto II
Poemas de Amor e Dor
Poesia Portuguesa
poetaeusou...
Poetizando a essência de mim

Reflexões Caseiras
(O)Repórter Alentejano
Revelações...Avulsas

Sal p!car te
Sidadania
Silêncios da Minha Alma

Traços e Letras
Truca-Luis Gaspar

Um olhar sobre...
Uma Nova Cubata

Velas ao Vento
(O) Vento Contra a Cara
Vida de Casado

Webclub
Words


Lugarejos que me encantam



Comércio e Tradição
Fotolog de Ana Rita Pinto

Anúncios grátis
blogs SAPO
subscrever feeds