Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009

 

Enquanto desfio instantes, tento afastar de mim o inverosímil.
Em vão...
Quão presente é[s] ainda…

Quão, incessantemente, permaneces!

 

 

 Fotografia de ©David Santos

 

Sabia de cor o som dos teus passos
Adivinhava-lhes o tom,
Ainda que não deixasse rastro,
Ainda que se juntasse a outros tantos
 
Não precisava ver-te
Porque te queria,
Eu queria-te tanto!
 
E quando chegavas
Todo o meu corpo era festa
Quando sentia aquele afago de veludo.
 
Como eu gostava
De me esquecer em ti,
Na tua chegada.
Era saudade,
Era toda desejo de me apear no beijo que me davas
 
Desfaço colares de instantes

Lançando preces para o céu que ora invento

Dançando sozinha nesta pista
Com a falta que agora tanto sobra.
 
Eu sabia-te de cor
No tempo em que não precisava de te ver,
Quando me bastava a melodia;
Adivinhar, sem ver,
A cor do som dos teus passos.
 
 



publicado por Cris às 02:39 | link do post | comentar | favorito

12 comentários:
De João Cruz a 12 de Janeiro de 2009 às 17:29
xiii que lugarejo que daqui vejo...extenso!

abc/bj


De Cris a 13 de Janeiro de 2009 às 00:46
Obrigada, João. Obrigada pela tua visita. Não há portas aqui no lugarejo por isso espero que voltes sempre que queiras.
Um abraço.


De Chloé a 12 de Janeiro de 2009 às 14:42
Querida Cris,
Como eu ainda senti esse amor entranhado em mim e percebo-o bem porque tu o descreveste maravilhosamente, a meios-tons mas num resultado espectacular como sempre! Já cá não vinha há uns tempos, mas tinha saudades... Fica bem, beijo!


De Cris a 13 de Janeiro de 2009 às 00:43
Tu sabes o quanto eu gosto de te ler, Chloé!
Gostei tanto que viesses. Saudades de ti

Meu beijo


De Paulo Mello a 12 de Janeiro de 2009 às 13:11
Cris, como prometi, vim conhecer o teu sítio e pude, mais uma vez, ver e sentir a beleza da tua POESIA.

Não sei dizer do que gostei mais, pois gostei de tudo. São poucas as pessoas que me comovem quando escrevem, aliás, eu diria que apenas duas pessoas... advinhas quais são elas? (risos). Existem páginas tuas que leio e sinto o olhar inundar-se de lágrimas e o coração bater mais forte.

Quero elogiar também o título que deste ao teu espaço, pois transmite aquela mesma paz que se encontra nos lugarejos mais recônditos como quando viajamos de carro e nos deparamos com uma cidadezinha aquietada no meio do nada, e onde quase sempre encontramos gente de boa índole, hospitaleira, sempre pronta a deixar uma boa impressão nos que por ali passam. Aqui são as tuas palavras que nos acolhem e nos fazem sentir (e revisitar dentro de nós) a paz que buscamos sempre conseguir.

Hoje acordei com o coração inundado de alegria e ao te ler, intensificou-se a certeza de uma semana de muita coisa boa.

É esta semana de coisas boas, Cris, que também te desejo junto aos familiares tão queridos.

Receba meus cumprimentos num abraço fraterno,
PMello


De Claras Manhãs a 12 de Janeiro de 2009 às 18:34
desculpa ser aqui, mas o meu PC continua idiota e só me dá as respostas aos comentários.

Bem dizia ontem que gostava do teu sentir.
É tão lindo este poema da saudade
diz tudo

beijo enorme, abraçando-te, meu doce


De Cris a 13 de Janeiro de 2009 às 00:39
Diz tudo e no entanto tanto que fica ainda para dizer...
Beijo doce, Amiga.


De Cris a 13 de Janeiro de 2009 às 00:41
Obrigada, Paulo. Que bom que te sintas bem por aqui.
Abraço e um beijito ao teu filhote que já deve estar bem crescidito, não?



De Fatyly a 12 de Janeiro de 2009 às 12:21
Enquanto desfio instantes, tento afastar de mim o inverosímil.
Em vão...
Quão presente é[s] ainda…

Quão, incessantemente, permaneces
............................................

seguido de um poema tocando, melodioso, sofrido mas...como te entendo nesse "desfazer colares de instantes...".

Mas, saio daqui mais enriquecida pela força da tua poesia.

Beijos fiota e p'ra frente é que é o caminho


De Cris a 13 de Janeiro de 2009 às 00:37
Pensar nos doces momentos é delicioso!
Quanta ternura em cada espera!
Mil e um beijos, Mãezona


De LORENZO MONSANTO a 12 de Janeiro de 2009 às 12:10
Entrei...

LI...

Bebi...

E vou sair silencioso. Só dizendo que gostei muito.

Muito.



De Cris a 13 de Janeiro de 2009 às 00:31
Obrigada, Lorenzo :) Bom ver-te por aqui. Já fui várias vezes ao teu blogue mas continua em "doce pousio".
Abraço.


Comentar post





mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Artigos recentes

 


...

Bonança

Ti'Mariquinhas, mãos chei...

Infinito

...

...

Viagem

Serenidade

Triste Forma de Amar

Não deixes de nos olhar

Arquivo

 

Dezembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Outros Lugarejos



A-manh-ser
adesenhar
Ao Sabor do Vento

Branco e Preto II
By The Canon Viewfinder

Claras Em Castelo
Claras Manhãs
(A) Clareira
Codornizes
Chris

Da Condição Humana
Dias Desiguais
Doce Modo de Olhar a Vida

Entre Tempos Que Se Tecem
EREMITÉRIO
Estórias de Bicharocos e Bicharada
Estrada de Santiago
(O) espaço azul entre as nuvens
Estúdio Raposa-Luís Gaspar

Flávia Vivendo em Coma

Golden Oldies

Humores

Ilha dos mutuns
(In)Perfeições
Intemporal
It’s going to be, hold it, legendary

(O) jardim e a casa

Madrugadas de Volúpia
Mar de Sonhos
Menina Marota
Microargumentos
Migalhas
Ministério da Soltura

Na Linha das Linhas
noVI TÁ
Nuno de Sousa

Outros Olhares

Palavras da {{coral}}
Palavras em Desalinho
Partilhas
Plan(o)Alto II
Poemas de Amor e Dor
Poesia Portuguesa
poetaeusou...
Poetizando a essência de mim

Reflexões Caseiras
(O)Repórter Alentejano
Revelações...Avulsas

Sal p!car te
Sidadania
Silêncios da Minha Alma

Traços e Letras
Truca-Luis Gaspar

Um olhar sobre...
Uma Nova Cubata

Velas ao Vento
(O) Vento Contra a Cara
Vida de Casado

Webclub
Words


Lugarejos que me encantam



Comércio e Tradição
Fotolog de Ana Rita Pinto

Anúncios grátis
blogs SAPO
subscrever feeds