Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009

 
 
Hoje, Maria, a minha Fatyly, a Mãezona mais Linda, (como eu gosto de te chamar assim!), vais encher este espaço.
Porquê? Porque há muito que tenho vontade de te dar um presente.
Quero dar-to aqui, para que possas embalar-te, ao som desta música que te vai recordar a terra bonita, que vais partilhando com todos os que contigo convivem.
Gosto tanto de te ouvir falar dela, de ver a ternura com que nela pegas, como quem segura um bebé, e, o põe, com carinho de mãe, no colo.
É assim que te vejo, sempre que falas dessa terra vermelha, rubra de vida.
Imagino-te a abrir a mala de cânfora…
Imagino-te a pegar nas recordações, para nos aromatizar os momentos…
Preenches-me, Amiga.
Guardo todos os comentários que me vão pondo aqui…
Mas, hoje? Hoje, estou a pegar em pedacinhos dos teus.
Não posso dar-te a fotografia da tua casa, mas, fui à procura de uma flor, que sei que vais adorar.
Obrigada por tudo!
Tal como tu dizes: A vida é feita de colares todos eles rendilhados conforme o brilho que lhe damos.
Por isso, Maria, aquilo que eu QUERO (sorrio-te, porque faço deste comentário tão teu, o meu pedido, transformo-o no beijo que vais sentir, enquanto ouves esta música) é que VENHAS CÁ SEMPRE, porque me (nos) fazes falta!
 
Como tu me disseste:
 
Vem cá, aconchega-te nas minhas mãos...porque são precisos "estilhaços" para recomeçar tudo de novo, com mais garra e perseverança!
 
 
Fotografia de © João Alves
 
 


 

queria ser lua
mas não consigo

queria ser sol
mas não tenho brilho

queria ser homem
mas é mais ferido

queria ser altiva
mais refilona
mais mandona
ninguém pisaria
julgaria
duvidaria

querer...queria...
mas sou sempre
a mesma Maria!

sentada no alto do embondeiro, abro a múcua, começo a comê-la, que arrepio...cuspo os caroços para o mundo pequenino a meus pés...e…
silenciaram-se as armas, não há fome, não há frio, não há choros.
Há amantes, amados, calor...calor humano...
poesia... poesias
plantados por simples caroços!

 

FATYLY

12/02/2005

 

 

Foi assim em 2005.

Hoje, hoje temos um mundão de coisas tão bonitas, tão nossas, já viste?

Como eu gosto, Mãezona, de tanto gostar de ti!

Beijo emocionado por te saber aí, mas, sempre, sempre, tão aqui, connosco.

 

 



publicado por Cris às 01:24 | link do post | comentar | favorito

10 comentários:
De mariz a 17 de Janeiro de 2009 às 03:38
Salvé amiga:
venho aqui de novo perguntar-te se não gostarias de te unir á corrente de energia que partiu de lá, por inspiração dum blog duma amiga de longa data, a fim de que uma egrégora se formasse e fosse plasmar-se em locais onde fosse mais calamitosa a situação. A nossa intenção, actuação, pensamento e oração, têm muita importÂncia neste tempo. Pensa e depois diz-me. Está tudo bem?
As pipocas, o mel, e o pó de talco ...está tudo bom?
Beijinhos família
Mariz


De Helena Paixão a 16 de Janeiro de 2009 às 23:44
A amizade é de facto o sentimento maior, mais nobre, mais quente, como tão bem neste post está retratado. Que encanto!!!

Beijinhos às duas :-)

... e bom fim de semana!



De mariz a 15 de Janeiro de 2009 às 22:25
Salvé escritora de emoções!
Salvé musa africana feita de flor do embondeiro!


Todos sem excepção somos:Seres de Amor, Pacíficos e Harmoniosos...é essa a nossa NATUREZA! Partindo desta premissa, é de lamentar que não se experimente a gratificante sensação que é DOAR-SE ao outro/a.Sem cobranças, sem pedras no sapato, sem mal entendidos, sem maledicência, sem raivinha de dentes, enfim...em pleno AMOR!

Se o que se leu aqui, toca o coração de todos...então que se manifeste o Bom que é, - e aludindo á flor do embondeiro - morrer num dia e no outro renascer - sem que isso demore 365 dias...mas no minuto imediato. Os ressentimentos, as mágoas, os amuos, corróiem o coração...e matam-no! - se bem continue a pulsar - Dificilmente se retoma a VIDA, sem perdão - a outra face do AMOR!

Que a felicidade seja assim...um estado de "dentro" e permanente; que as palavras se projectem de tão belas e nítidas...por GRATUITAS! - sem peso e medida, como as lemos aqui.

A verdadeira Liberdade define-se por deixar fluir a linguagem do coração....sem vergonha ou temor.
Infelizmente a maioria não é Livre!

Sempre...
no Caminho seguro do coração,
Mariz


De peciscas a 15 de Janeiro de 2009 às 19:14
Uma bonita e merecida homenagem de um mulher bonita a outra mulher bonita.
Se o mundo fosse só povoado por seres como estes, que paraíso seria!


De Silêncio Culpado a 15 de Janeiro de 2009 às 18:20
A vida vale a pena só por isto. Esta mensagem tem a dimensão do mundo. A Fatyly merece.


Abraço


De Odele Souza a 15 de Janeiro de 2009 às 13:45
Cris,

Um post onde o carinho e a amizade entre duas pessoas - tu e Fatyly - tranbordam e nos fazem muito bem porque é sempre bom ver e "sentir" o amor nortear gestos e atitudes.

Ficou lindo o teu post Cris, foi lindo o teu gesto de carinho para com Fatyly a quem também adoro.

Beijos e abraços para as duas.


De Paulo Mello a 15 de Janeiro de 2009 às 13:32
Cris, já te disse que existem postagens que me comovem até às lágrimas... esta foi uma delas! Emociona-me ver dois corações tão grandiosos se intercomunicando através do sentimento da AMIZADE, e deixando para nós leitores uma POESIA que se transpira em cada palavra.

Belo post, Cris, como também o comentário de agradecimento da Fatyly. Duas almas que engrandecem os bons sentimentos.

Ficam meus cumprimentos num abraço fraterno,
PMello


De Fatyly a 15 de Janeiro de 2009 às 10:20
Olha lá rapariga queres matar-me do cóóóóóração:)

Que maravilha de post para "moi" e carreguei as baterias com as tuas palavras, com palavras minhas e esse poema que já o fiz há tanto tempo mas que continua presente.
A flor do embondeiro que caprichoso, durão, belo e magestoso só nos presenteia com uma ou duas uma vez no ano. Abre à noite e morre no dia seguinte:)

A música já me fartei de dançar e bater o pé:)

Vou andar por aí com o meu violão
Vou à motamba, tomo um machibombo qualquer

"Porr ma curia a naqui"
Sou igual a toda a gente
Na linha da terra nova
Só páro lá no Mossamgui
Com a minha gente entre mufete e conversa [mim]
E de madrugada, com Catambi com Tambuita [mim]

Zag, zag, zag, zag
Zanga-zuzi até cair ...


Aiuehh..
Que é que vai fazer amanhã meu irmão?!


És um doce e meu maior OBRIGADÃO e sabes? A vida é feita de colares todos eles rendilhados conforme o brilho que lhe damos e calmamente, com muita esperança, garra, sorriso, o meu já começou de novo a brilhar, porque por vezes embaciam mas enquanto for viva não perderão o seu brilho:):)

Beijos fiota mais nita

PS: Obrigada Minucha pelo teu comentário:)


De Cris a 15 de Janeiro de 2009 às 20:52
Ó Coisa Boa, voltas a agradecer levas-me um chapadão que nem sabes...rssss :))))))))))

És linda, gosto de ti, digo-o sempre, digo-te, emociono-me.
Fosse eu agradecer tudo, tudo, tudo o que me dás, me fazes... Olha, entaramero-me toda porque tu sabes que eu sou uma "manteigueira2 e desato a chorar.
É teu o lugarejo.
Beijo tuas mãos, Linda e agradeço a Deus o dia em que nos encontrámos. Já não me imaginaria jamais sem ti, nunca!

Com todo o amor, tua fiota,
Cris

As "Pickles" só dizem: "Ai que fófi, mãe! A Fatyly merece tudo isto e mais!


De Claras Manhãs a 15 de Janeiro de 2009 às 02:36
Que lindo, mas lindíssimo gesto.
E como ela merece, a Fatyly!
Como é bela e sentida a sua poesia
Saio daqui encantada

beijinho grande, grande, às duas de corações enormes


Comentar post





mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Artigos recentes

 


...

Bonança

Ti'Mariquinhas, mãos chei...

Infinito

...

...

Viagem

Serenidade

Triste Forma de Amar

Não deixes de nos olhar

Arquivo

 

Dezembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Outros Lugarejos



A-manh-ser
adesenhar
Ao Sabor do Vento

Branco e Preto II
By The Canon Viewfinder

Claras Em Castelo
Claras Manhãs
(A) Clareira
Codornizes
Chris

Da Condição Humana
Dias Desiguais
Doce Modo de Olhar a Vida

Entre Tempos Que Se Tecem
EREMITÉRIO
Estórias de Bicharocos e Bicharada
Estrada de Santiago
(O) espaço azul entre as nuvens
Estúdio Raposa-Luís Gaspar

Flávia Vivendo em Coma

Golden Oldies

Humores

Ilha dos mutuns
(In)Perfeições
Intemporal
It’s going to be, hold it, legendary

(O) jardim e a casa

Madrugadas de Volúpia
Mar de Sonhos
Menina Marota
Microargumentos
Migalhas
Ministério da Soltura

Na Linha das Linhas
noVI TÁ
Nuno de Sousa

Outros Olhares

Palavras da {{coral}}
Palavras em Desalinho
Partilhas
Plan(o)Alto II
Poemas de Amor e Dor
Poesia Portuguesa
poetaeusou...
Poetizando a essência de mim

Reflexões Caseiras
(O)Repórter Alentejano
Revelações...Avulsas

Sal p!car te
Sidadania
Silêncios da Minha Alma

Traços e Letras
Truca-Luis Gaspar

Um olhar sobre...
Uma Nova Cubata

Velas ao Vento
(O) Vento Contra a Cara
Vida de Casado

Webclub
Words


Lugarejos que me encantam



Comércio e Tradição
Fotolog de Ana Rita Pinto

Anúncios grátis
blogs SAPO
subscrever feeds